Desmatamento no Amazonas diminui 20%, aponta INPE

Written by Imprensa SDS

Manaus – Os dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) revelam que, no Estado do Amazonas, a estimativa da taxa anual de desmatamento é de 464 Km², ocupando o 4° lugar no ranking dos Estados da Amazônia Legal, com redução de 20 % em relação ao período anterior, que registrou 583 Km².

O total de 464 Km² estimado representa aproximadamente 10% do total estimado para a Amazônia Legal.

O Amazonas está revertendo a curva de crescimento do desmatamento nos últimos anos. Apesar das oscilações registradas, o desmatamento permanece abaixo dos 500 Km² no Estado, de acordo com a análise do histórico das taxas.

Para a titular da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SDS), Kamila Amaral, esses resultados positivos representam uma agenda operante de prevenção e controle do desmatamento, desenvolvidas pelo Governo do Amazonas, com ações estabelecidas pelo Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento do Amazonas (PPCD-AM).

“Nos últimos 11 anos, o desmatamento no Estado reduziu 70%. E nos últimos 5 anos houve uma redução significativa de 22%, em função das políticas ambientais integradas de prevenção e controle do desmatamento, e do incentivo às atividades produtivas sustentáveis, com foco na agricultura familiar, nas atividades extrativistas e no manejo da pesca”, explicou.

Aliado a isso, ela ressalta a importância das parcerias com órgãos federais, estaduais, municipais e da sociedade civil, que agiram de forma estratégica na busca para promover o uso sustentável do solo e reduzir o desmatamento ilegal e queimadas no Estado.

Comparativo

O Ministério do Meio Ambiente e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE divulgaram no dia 26 de novembro os dados do PRODES (Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite), sobre a estimativa da taxa anual do desmatamento do período de agosto de 2013 a julho de 2014. O PRODES computa como desmatamento as áreas maiores que 6,25 hectares onde ocorreu remoção completa da cobertura florestal – o corte raso.

De acordo com os dados, a Amazônia Legal registrou um total de 4.848 km², demonstrando uma redução 18% em relação ao mesmo período do ano de 2013, em que foram registrados 5.891 Km². O Estado do Pará teve o maior aumento registrado, com a estimativa de 1.829 Km² de desmatamento e em segundo lugar o Estado do Mato Grosso, com 1.048 Km² (tabela 01).

Atualmente, a estimativa aponta um registro abaixo dos 500 Km², pela segunda vez uma redução significativa desde o ano de 2009 (405 Km²). Os dados consolidados da taxa anual de desmatamento serão divulgados em abril ou maio de 2015 pelo INPE, bem como as taxas de incremento por município e subunidades territoriais (unidades de conservação, terras indígenas e projetos de assentamentos).

O PPCD-AM

O Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento do Amazonas está na segunda fase, compreendendo o período de 2012 a 2015, que tem como meta geral a redução de desmatamento até 350 Km². Ele tem três diferentes estratégias. Uma se baseia no ordenamento territorial, considerando o zoneamento de determinadas áreas e diferentes subunidades territoriais, e a criação de unidades de conservação, como áreas importantes para a conservação dos recursos naturais; e outra ocorre a partir de atividades de controle e fiscalização nas áreas onde há maior pressão de desmatamento, visando à regularização ambiental das propriedades por meio do Cadastro Ambiental Rural (CAR).

A última fase tem como objetivo o fomento às atividades produtivas sustentáveis, que integram a conservação da floresta com a geração de renda de forma prática. Uma estratégia que envolve diretamente os órgãos de extensão rural e florestal com quem produz, ou seja, o “homem do campo”, principalmente os produtores rurais e extrativistas.