Em quatro dias, Programa Amazonas Legal dobra número de atendimentos em Apuí

Written by Imprensa SDS

Nesta quinta-feira (12/04), no quarto dia do Programa Amazonas Legal no município de Apuí (distante 453 quilômetros de Manaus), mais de 200 produtores rurais foram atendidos no 1º Mutirão de Licenciamento e Cadastro Ambiental Rural (CAR) pelas secretarias de Meio Ambiente (Sema), Produção Rural (Sepror) e os institutos de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam) e de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesam).

De acordo com a coordenadora do projeto e diretora do Departamento de Mudanças Climáticas e de Unidades de Conservação (Demuc) da Sema, Antônia Barroso, em quatro dias da ação inédita em Apuí, foram realizadas mais de 60 visitas técnicas em empreendimentos de atividades produtivas nos segmentos da piscicultura, pecuária e agricultura familiar, embargados pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) por falta de Licença de Operação (LO) ambiental do Estado.

Segundo ela, de segunda-feira (09/04) até esta quinta-feira (12/04) mais de 200 agricultores procuram atendimentos no mutirão, sendo que desse total, 76 formalizaram pré-processos de licenciamento ambiental no Ipaam e 21 CARs foram emitidos pela Sepror. “Temos um balanço bastante positivo da ação, que acontece até o dia 20 de abril. Estamos aqui com diversos serviços, desde orientação jurídica e, também, curso de combate a queimadas e desmatamento do Corpo de Bombeiro e a Polícia Ambiental, com mais de 50 estudantes”, disse.

Meta em Apuí ─ O Programa Amazonas Legal foi lançado em Apuí domingo (08/04) e, de acordo com o secretário da Sema e presidente do Ipaam, Marcelo Dutra, ainda vai percorrer os municípios de Humaitá (distante 590 quilômetros), Boca do Acre (distante 1.028 quilômetros) e Parintins (distante 369 quilômetros de Manaus) este ano. Em Apuí, a meta é tirar a cidade do Sul do Amazonas da lista dos municípios que mais desmatam no Brasil, licenciar 400 empreendimentos embargados pelo Ibama e aumentar de 77% para 90% o número de inscrições no CAR.

Financiamentos ─ O engenheiro florestal da Sepror, Leonilson Cavalcante, disse que projetos de políticas públicas em qualquer segmento produtivo, hoje, exigem o licenciamento ambiental do Ipaam, que só é possível obtê-lo se o agricultor tiver o CAR para ter acesso a financiamentos de instituições financeiras. “Esse é o primeiro passo para acessar financiamento bancário. No mutirão o agricultor consegue fazer rapidamente o cadastro e ter o licenciamento, além da Carteira do Produtor”, informou.

Baixo carbono ─ O diretor executivo do Idesam Carlos Gabriel Kory, afirma que o CAR e o licenciamento das atividades produtivas são elementos de muita importância para garantir uma produção ordenada, legalizada e de baixo carbono. “Por isso o instituto é parceiro da iniciativa do Governo do Estado e vê com bons olhos essa agenda positiva em Apuí, sendo ela uma agenda integrada com outras iniciativas como a parceira com a prefeitura e os bombeiros no plano de prevenção e controle do desmatamento e queimada em Apuí”, completou.

Momento exato ─ O gerente do Idam da unidade de Apuí, Adalberto Vicente destacou que o Amazonas Legal surge no momento exato em Apuí. “O município tem uma demanda crescente de produtores requerendo acesso a credito bancário e não conseguem devido à falta de licenciamento. Pelo fato de termos reconhecimento de território, conhecermos os produtores, e termos feito um trabalho de campo antes. Essa ação veio em boa hora e casou com a demanda que nós temos e o resultado disso será o fortalecimento do trabalho do governo”, finalizou.

FOTOS: ANDRÉA REIS/IPAAM